Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2010

E a tua história eu não sei, mas me diga só o que for bom

Seja como for, o destino sempre faz com que eu te veja, pra que eu não me esqueça do sorriso que também me faz sorrir, e mesmo que você não me veja e não abra esse sorriso, eu fico, de braços abertos, com o coração na mão. É  a presença, sem o calor, longe, distante, terrível ausência e nada me cura essa doença, esse vicío, que está em minhas entranhas, atacando todas as víceras, viciando até meu ar, o ar que tu me roubas, sempre que me abraça forte e me arranca suspiros e pensamentos, que prefiro não revelar, meu coração não pode nem pensar em falar, nós sabemos que minha exclusividade não servirá, fique mais um pouco. Eu não sei, porque tudo que digo e penso sobre ti tem de terminar com a frase "fique mais um pouco", nada consiste em ficar mais um pouco, pouco é sempre pouco demais, juntando tantos poucos, temos um "muito" que não significa pra sempre, mas temos alguma coisa, e a conclusão final acaba sendo o capítulo da história que descubro que preciso, mas não

não é protesto, é realismo

Ninguém pode entender, meu silêncio não é protesto, a fala é minha fuga, meu silêncio é meu realismo vindo a tona e se decepcionando até a últim gota, com tudo o que existe. Acham mesmo que sou uma estranha no ninho, ou talvez tenham certeza, eu não ligo. Enquanto todos falam sobre cerveja, cigarro, carro, balada e porres, eu sou mais sendo menos, não digo nada, pois sei que nada disso vale a pena ser dito. Abro a boca pra falar sobre algo em que acredito, que defendo, não coisas perecíveis, seres humanos perecíveis, no fundo sinto todos iguais e eu diferente, não há nem meia gota de entendimento aqui, minha consciencia cheia de paciencia, já me revelou não esperar e nem dizer nada. Acho graça de cada situação. A melhor das situações é com você e essa eu não posso ao menos ter, enquanto isso vou fingindo que acho tudo completamente normal...

sorria, isso basta

Sempre quis ouvir suas palavras, mas não decisões. Não quero que você diga nada pra me agradar, só quero te fazer bem, por isso, sorria, isso basta. Nesse mundo louco, conseguimos encontrar algo mais, completamente fora do cotidiano, o maior erro seria levar isso adiante ou fingir que nada aconteceu e continuar levando a vida, como se um furacão não tivesse nos atingido por aqui? Sabe, é o que sempre faço, sozinha, mas desta vez é você que está aqui, ouvindo minhas músicas prediletas, comendo minha comida preferida e sorrindo meus melhores sorrisos. É tão fácil desejar você aqui e pra mim faz todo o sentido. Nós acompanhamos a chuva e nem mesmo suas gotas mais geladas conseguem esfriar o que sentimos. Um dia vou te guardar comigo, não sei se nessa vida ainda, mas sei que vou e te proteger de tudo que nos ameaça nesse mundo. Não é querer muito, é apenas, querer. Mantenho me em silêncio

controlo, domino

Se posso desligar as luzes e o telefone, posso desligar você de mim, mas não posso desligar os sentimentos, que dirá os pensamentos. Ópio maldito que me faz querer não um colo, mas o seu colo, não os braços, mas o seu calor, não um beijo, mas o seu sabor, sem dissabor, que aprecio como um banho de chuva em dia de calor, um pão feito na hora com a boca cheirando a café, como aprecio um fim de tarde e os ponteiros empoeirados de um relógio parado. Acho divertido a dança que meus cabelos fazem quando sentem o vento. A batalha que a racionalidade e o coração, o certo e o errado aos olhos da sociedade, travaram em mim, é só entre eles mas me machuca também, leva uma parte de mim, tira uma de você e exclui por inteiro o terceiro integrante, que chegou antes de mim e de você, não desse você que você é desde que nasceu, mas o você que eu criei, o você que eu penso. Eu quero suas migalhas, e seu coração inteiro, já que você inteiro eu nunca terei e já nem ligo pra isso, você é uma tempestade aq