Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2010

time of your life

Não é qualquer pedrinha em um rodovia enorme que vai furar o pneu deste verdadeiro tanque de guerra. Eu vou ao combate de meus fantasmas, mais uma vez, desarmada, com as flores murchas e pretas, sem oxigênio, sem vida alguma, com um sorriso quebrado, eu vou tentar. Totalmente desarmada, para esta batalha, eu juro, vou tentar. Recomeçar tudo outra vez. Garota, não olhe pra trás, está tudo tão desalinhado pra você, você sabe muito bem como voltar tudo em seu devido lugar, você já fez isso antes, não com estes olhos, mas sabe que já fez, sabe como fazer, quando um sentimento se transforma instantaneamente, em algum momento você sabe que parou, e precisa continuar, em algum lugar do tempo as coisas ainda estão lá, como você deixou, antes de tirá-las de ordem, na vida real. Garota, você consegue, eu sei! Mais sorrisos, mais destinos, mais cidades, mais diversões, mais amigos, mas não com esses olhos. Respire fundo e aguente firme, a caminhada ainda é longa, e seu lema ainda é aquele que diz

the best of you

de fato, alguém matou o melhor de mim, e deixou comigo somente a vontade de viver, sem sentir que a vida vai e você fica. E decisões tem que ser tomadas, fatos consumados, palavras ouvidas e sentimentos furtados. As coisas são esquecidas rápidas demais, os sentimentos mudam demais, tudo vai ficando retrógrado não importa o quão recente esteja seu surgimento. Se cada passo não for planejado com cuidado sua vida não terá sido vivida, mas para ter cuidado, é preciso pensar, e para pensar, é preciso tempo, tempo é algo que não temos. Nascemos sem tempo, ao passo que você nasce, já vai perdendo tempo, todas as frações de segundo escorrem por seus minúsculos dedinhos, e mais tarde você descobre que passou a vida inteira fazendo planos, que não terá tempo o suficiente para realizar. É tudo muito contraditório e essa vida torna-se totalmente ingrata. Pouco me importa se no fim da vida estarei maluca em um hospício, brincando de pregar botões em árvores, ou se estarei como saxofonista de um bar