Pular para o conteúdo principal

E mais essa queda


Ainda outro dia, falava sobre o amor ser como quando saltamos em queda livre. Sabe, você se prepara com todo o equipamento, mas ele agirá de acordo com seu destino. Ele pode não funcionar,  e você se espatifar no chão de forma quase fatal ou ele pode funcionar e você vir a viver algo ímpar, uma das mais maravilhosas experiências da sua vida.
Bom, eu já me lancei com um equipamento que falhou algumas vezes e por sorte, devo ser como um gato e ter sete vidas...Agora provavelmente restaram umas 3.
Não contente, feito Lisbela eu me lancei de novo e apesar de me sentir idiota por isso, pego na mão meu coração todo cheio de cicatrizes e remendos, já tão usado, batido, desbotado e digo a ele: já nos enganamos antes, mas agora pode valer a pena, eu preciso tentar só mais essa vez (com ar de adulto dizendo a criança que ficará tudo bem, quando nem ele mesmo tem essa certeza).
Ora, fui vencida pelo cansaço, minha resistência não era tão forte quanto o homem que ordenou que começasse a guerra. Meu exército há tempos não entrava em campo, geralmente ninguém passava da muralha de amargura que construi e eu sempre tão forte, imponente, nunca vacilava e via um por um cair por terra, tentando me vencer.
Eu o subestimei, é verdade, ele tem uma força oculta a favor dele, uma carta na manga, um último golpe pra derrubar a muralha, o exército e eu.
Fui ao chão, abatida, quase vencida e ele é tudo que vejo, me perguntando se não vou levantar. Me levanto mas preciso de sua ajuda, não sei sequer se consigo andar.
Me levante daqui, me carregue (como eu sei que você faz) e vamos comemorar sua vitória. Eu sou uma ótima perdedora.
Já saltei, se o equipamento falhar, valeu o frio na barriga.
Se ele funcionar, valerá toda uma vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E se...?

A vida é mesmo uma imensa estrada com várias bifurcações ao longo do caminho. Somos obrigados a todo momento a escolher e escolher significa renunciar. Estamos sempre renunciando de algo, ou seria escolhendo, optando por algo? Depende do ponto de vista. E essas escolhas por vezes tem toda poesia contida em si, ora não são nada poéticas. Chegamos a uma altura da vida, que pensar demais nas renúncias que fizemos, traz a tona uma imensa saudade. A famosa saudade do que ainda não vivemos, talvez o que nunca vamos chegar a viver, porque não pagamos pra ver. Não é uma saudade que dói, mas uma saudade que atiça a curiosidade, longe de arrependimento, por mais que a vida esteja funcionando bem no caminho em que estejamos andando, os pensamentos, as idealizações e a dúvida sempre vem. É uma saudade que não pode ser matada, esse caminho pode ainda estar ali e se apresentar de novo em nossa jornada, porém não estará exatamente como estava no passado, e digo isso me baseando na teoria de Herá

Trajetória

Estava em minha zona de conforto, nas sombras, porque era tudo mais fácil enquanto eu estava por lá, me escondendo, mostrando apenas o lado amargo, sem sentimentos. Eu não dava a cara pra bater, não arriscava outro coração partido, apenas ocultava a existência de um coração. Era divertido ser irônica quando alguém falava de relacionamento sério pra mim, eu apenas soltava um riso ácido e dizia: - tá, e daí? Sabe, meu forte nesses 3 anos e meio nunca foi acreditar que algo daria certo, eu apenas via surgirem os “quases”, esperando a pessoa ir embora. Eu sabia que todo mundo um dia iria partir. Era aquele velho ciclo, de costume: Ele chega, bagunça tudo superficialmente ao meu redor, tenta ganhar meu coração, mas não se arrisca e eu desse lado também não. Ele vai embora, procurar algo melhor e eu fico, também na mesma procura, me perco no caminho, entre uma bebedeira e outra, enfrento os dias de ressaca, as vezes mais moral do que etílica. No dia seguinte reflito sobre como estou v

Turismo no meu mundo

Tem pessoas que são viagem e outras que são destino... E me soa tão cruel saber disso, estar ciente de que talvez nós só nos encontramos pra uma breve viagem, eu na sua vida, você na minha. Um colorindo os dias do outro, só que por tempo limitado. Isso tudo pode terminar na velocidade de um sopro. Nada aconteceu e eu já quero voltar no início, antes que você vá embora pra viver melhor sua vida e me deixe aqui na mesma monotonia em que me encontrou, porém mais sozinha, mais melancólica e ainda mais amarga e mais difícil de conquistar, muito menos crente nesse sentimento complicado que é o amor. Vamos voltar ao início, parecia tão certo, eu, você, a química, nossa conexão espiritual...O que poderia dar errado? Aperta o replay porque eu quero ficar revivendo aqueles primeiros dias antes de qualquer coisa. A qualquer momento agora, isso pode escorrer pelos dedos feito areia. Correndo o tempo como uma bomba relógio, que eu não sei desarmar. Eu não quero estar aqui quando tudo voar pelo